Gráfico 16 – Percentual dos motivos que levariam as entrevistadas a se mudar de cidade

* Dados referentes a 139 participantes que responderam esta pergunta.

 

Dentre as 139 participantes que responderam sobre os motivos que as levariam a se mudar de cidade, observa-se que o trabalho aparece em primeiro lugar, com 66,19% (92) das respostas. 10,79% (15) das entrevistadas responderam que o relacionamento as levariam a se mudar de cidade; 4,32% (6) apontaram a violência social como motivo da mudança; 2,16% (3) apontaram a violência da família; 0,72% (1) mencionou a violência da escola e também 0,72% (1) mencionou “saúde” como motivo que a levaria a se mudar de cidade. A opção “formação/estudos”, presente no questionário, não foi mencionada em nenhum caso.

Outros motivos não referidos no questionário também foram citados durante as entrevistas. A opção “melhoria financeira” apareceu em 10,07% (14) das respostas, “conhecer novos lugares” em 4,32% (6); “ficar próxima da família” em 3,60% (5); “conhecer novas pessoas” em 2,88% (4); “tranquilidade” também apareceu em 2,88% (4); “falta de estrutura” em 1,44% (2) e “amizade”, “colocar silicone”, “depressão”, “fugir do estresse/cansaço”, “instabilidade”, “loucura”, “mudança da família”, “prostituição”, “qualidade de vida”, “relações sociais”, “residência nova” e “respeito” foram opções mencionadas uma vez cada uma.

 

 

moradia-migracao

                                                                                Realização

   Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania LGBT (NUH/UFMG)

Telefone: (31) 3409-6287

Endereço: Sala 2003 Fafich,

Universidade Federal de Minas Gerais

Av. Antônio Carlos, 6.627, Pampulha,

Belo Horizonte /MG, CEP : 31270-901 

 Facebook     Youtube